Estudo de Caso M.C. – depressão, pânico e ansiedade

A interagente M.C. procurou a terapia pois havia tido crises de pânico, sentia- se muito sobrecarregada com o trabalho e percebia-se com um constante medo de sentir novamente as apavorantes sensações da crise.

“Tinha sido diagnosticada com depressão e todos os psiquiatras que consultei me passaram anti-depressivos e ansiolíticos. Tomava-os, religiosamente, com medo do que pudesse me acontecer”

Porém, após meses de tratamento, não observava resultados, incomodava-se com
os efeitos colaterais e não tinha perspectivas de melhora.

“Passados 6 meses, não via melhoras, pelo contrário. Sentia-me morta, sem reações, nada me “afetava” e, quando sentia alguma coisa, traduzia-se em ataques de raiva. Os psiquiatras não me diziam a duração do tratamento, nem se estava me curando. Diziam que variava de pessoa para pessoa, podendo ficar assim para o resto da vida!”

Não conseguia compreender o que poderia estar acontecendo consigo, visto que aparentemente, não havia nada que justificasse tamanho sofrimento.

“A gota d’água foi quando comecei a ter pensamentos suicidas… Como poderia eu querer terminar com a minha vida, se tinha uma vida que todos cobiçavam?! O que se passava comigo?! Estou grata por ter tido consciência de que era muito grave, não era uma situação normal e deveria tentar tudo o que estava ao meu alcance para voltar a sentir, a querer viver!”

Tratamento

O trabalho foi realizado em um total de 15 sessões durante um período de 3 meses. Os atendimentos eram semanais, porém, em momentos de maior necessidade, esta frequência era ampliada.

As principais técnicas utilizadas foram Naturologia, Terapia Corporal Reichiana e DMP (Deep Memory Process).

Grande parte do que será descrito a seguir eram processos inconscientes ou parcialmente conscientes. A conscientização, na maioria das vezes, era acompanhada por profundas descargas emocionais e energéticas, seguidas de integração através da compreensão racional.

Resumo dos principais aspectos trabalhados
durante o tratamento

  • Necessidade de reconhecimento do pai. Sentia-se rejeitada. Achava que a irmã tinha mais o amor do pai do que ela e por isso sentia inveja.
  • Tentativa frequente de agradar aos outros. Acabava se desgastando muito por isso e assumindo mais responsabilidades do que deveria. O nível de ansiedade se elevava radicalmente por conta deste padrão de comportamento. O trabalho para equilibrar este aspecto foi feito no sentido de experimentar corporalmente o desconforto gerado e autorizar-se experimentar a capacidade de colocar limites, de dizer não.
  • Abuso sexual. Foi abusada sexualmente e sentia muita raiva da mãe porque achava que ela devia ter tomado alguma providência com relação ao ocorrido e não tomou.
  • Percepção do medo da dependência. Apesar de ampliar a consciência desse aspecto, decide sair do emprego e abrir um negócio próprio. Tinha muito medo de depender do marido ou de qualquer outra pessoa. A ideia de dependência, mesmo que momentânea, era muito associada ao fracasso e crença de que nada mais daria certo
  • Tentativa de provar capacidade. Percebeu como passou muitos momentos de sua vida tentando provar sua capacidade para as irmãs e buscando o reconhecimento para fugir da sensação de fracasso.
  • Regressão. Homem, caçador, perdido na mata em busca de alimento para a família, foi picado por uma cobra. Teve que amputar dois membros do corpo. Extremamente autoexigente, considerava que tinha que sustentar a família e não aceitava falhar neste aspecto. Morreu afogado, com uma profunda sensação de fracasso e incapacidade.
  • Contato com a sensibilidade. Após este momento, passou a fazer contato com uma parte sua mais sensível e receptiva. Durante as sessões surgiam memórias muito significativas e gratificantes como o colo de seu pai, lembrança das pessoas que a ajudaram em seu antigo trabalho e quando havia mudado de cidade, saudade de momentos que, a partir de então, puderam ser percebidos como importantes em sua vida.
  • Ressignificação de memórias. Muitas questões inacabadas com pai e mãe foram ressignificadas e o vínculo com eles pôde ser reconstruído a partir de um lugar interno honesto e íntegro, capaz de aceitar e superar as frustrações e valorizar e agradecer as qualidades.

Resultados

As síndromes de pânico nunca mais ocorreram e o medo de que elas surgissem já não a apavorava como antes.

A ansiedade aparecia em alguns momentos na vida, mas já não a tomava por completo como inicialmente, e era encarada de forma muito mais segura e tranquila.

E a depressão foi substituída por uma profunda alegria, vontade de viver, trabalhar, sentir, criar e estabelecer novos vínculos.

Na medida que os resultados eram alcançados o uso dos medicamentos foi dispensado.

Nitidamente pude perceber que M.C. se tornou uma pessoa mais confiante, viva, alegre, muito mais capaz de lidar com seus próprios processos e menos vulnerável ao mundo externo.

Mas, com certeza, não há ninguém melhor para falar do resultado de um tratamento do que a própria pessoa que o experimenta. Por isso, segue o resultado que ela mesma colocou em palavras.

“Dediquei-me de corpo e alma ao tratamento, confiava no que me era proposto e nunca questionei o que o Régis me propunha por muito estranho que parecesse.

Foi um processo complexo, de muitos sentimentos e emoções, que mexe com o que temos de mais profundo (consciente e inconsciente), mas que oferece uma sensação de paz, harmonia e felicidade sem igual!

Aprende-se uma forma de vida, um método de interação com o que nos rodeia e, acima de tudo, percebe-se como a vida merece cada minuto nosso.

Hoje sinto-me completa, feliz e com um futuro maravilhoso pela frente, mas sem abdicar de gozar ao máximo o meu presente.

É um processo pelo resto da vida e uma certeza de que qualquer um pode transformar a sua vida no que desejar.”

Alguns meses após esse relato, entrou em contato novamente para agradecer e dar a notícia de que havia realizado um grande sonho de sua vida: Engravidar.

Agradeço a ela por compartilhar e permitir a divulgação desta breve e significativa parte de sua história.

Com graduação em Naturologia Aplicada, especialização em Terapia Corporal Reichiana e DMP (Deep Memory Process), realizo os atendimentos de naturologia em consultório baseado nos fundamentos da terapia corporal e em conjunto com sessões de regressão (DMP). Amo educação. Considero-a como a base para o autoconhecimento e para a saúde. Atuei com educação ambiental para crianças através de horta escolar e com projetos de revitalização cultural com o povo Mbyá Guarani, trabalhos que me deram base para entender a relação do ser humano com a natureza e universo ao qual pertence. Hoje, além de atendimentos em consultório e trabalhos com grupos de terapia, aprecio estar com a família, fazer esportes, aproveitar momentos em contato com a natureza e escrever sobre minhas reflexões nas áreas de terapia, ecologia, sustentabilidade, consumo consciente e saúde.

Website: https://www.vidapora.com.br

Vida Porã

 

Rua Prof. Marcos Cardoso Filho, 820, Sala 5

Córrego Grande, Florianópolis, SC

Telefone: (48) 99147-4109

Entrar em contato por email

Log in